[ editar artigo]

Índice Global de Inovação 2020: Quem Financiará a Inovação no pós pandemia?

Índice Global de Inovação 2020: Quem Financiará a Inovação no pós pandemia?

Todos os anos, o Índice Global de Inovação conduzido pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual, em parceria com a Cornell SC Johnson College of Business, classifica o desempenho em inovação de mais de 130 economias em todo o mundo.

Com as expectativas de queda do PIB global devido à pandemia do novo coronavírus, como ficarão os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)?

O Brasil melhorou quatro posições no Índice Global de Inovação (IGI) na comparação com 2019. Os números de 2020, divulgados na manhã desta quarta-feira (2), mostram que o país passou da 66ª para a 62ª colocação no ranking que abrange 131 países.

 

“A pandemia do coronavirus (COVID-19) desencadeou uma paralisação econômica global sem precedentes. Ao finalizarmos a edição do IGI 2020, as medidas restritivas estão apenas começando a ser atenuadas, enquanto os temores de uma possível “segunda onda” permanecem sendo muito fortes.”

 

A crise atual atingiu o panorama da inovação num momento em que a inovação estava florescendo. Em 2018, os gastos com pesquisa e desenvolvimento (P&D) cresceram em 5,2%, ou seja, significativamente mais rápido do que o crescimento global do PIB, após a rápida e sólida recuperação da crise financeira de 2008-2009. O capital de risco (CR) e a utilização da propriedade intelectual (PI) atingiram o nível mais alto de todos os tempos.

 

“Nos últimos anos, a determinação política de fomentar a inovação tem sido forte, inclusive nos países em desenvolvimento. É uma tendência relativamente nova e promissora com vista à democratização da inovação para além de apenas um número seleto de economias de ponta e clusters.”

 

Para enfrentar obstáculos, temos de compreender o problema. O Índice Global de Inovação oferece-nos indicadores de informação que nos mostram onde se encontram os maiores desafios à inovação. O resultado provável desse movimento, juntamente com o relatório, é que o capital de risco levará um período maior para se recuperar do que os gastos com Pesquisa e Desenvolvimento.

Por ser indispensável para a estratégia das empresas, especialmente em momentos de crise, existe a esperança de que a inovação não registre uma queda tão significativa quanto anunciam as previsões.

O estudo destaca como as transações que demandam capital de risco estão em declínio em toda a América do Norte, Ásia e Europa. Junto a poucos IPOs à vista, as startups que resistirem poderão se tornar menos atraentes e rentáveis para os investidores.

As posições do Índice Global de Inovação indicam que, em 2020, a geografia da inovação segue se transformando. Nos últimos anos, China, Vietnã, Índia e Filipinas foram as economias com o progresso mais significativo em sua classificação relativa à inovação.

As quatro nações estão, agora, no grupo das 50 principais economias. Suíça, Suécia e EUA lideram as classificações de inovação, seguidos pelo Reino Unido e pelos Países Baixos.

Este ano marca a primeira vez que uma segunda economia asiática – a República da Coreia do Sul – integra o grupo das 10 principais, ao lado de Singapura.

De acordo com o relatório do IGI, a pandemia não mudou o fato de que o potencial para a inovação e tecnologias revolucionárias continua a ser elevado.

 

Confira o relatório do IGI completo aqui.

HUB DE INOVAÇÃO DO VALE
Daiane Pereira
Daiane Pereira Seguir

CEO HUB de inovação do Vale, Comunidade Connect, CO-FOUNDER Condor Connect, Administradora, com especialização em Marketing Digital pela faculdade de marketing em São Paulo, empresária, atual nas áreas de consultoria em Gestão de Inovação.

Ler conteúdo completo
Indicados para você